DESTAQUES


Retorno às aulas presenciais: Globo acha que Brasil é a Nova Zelândia – Por Raphael Fagundes

19/02/2021

Os profissionais da Educação não querem deixar de trabalhar, eles só querem dignidade. A Constituição precisa ser respeitada. Ela assegura “Proteção à vida, à saúde e à dignidade da pessoa humana”

Embora o prefeito e especialistas afirmem que é seguro voltar às aulas, os profissionais da Educação de diversos estados e municípios do país ainda acreditam ser um risco o retorno presencial das atividades.

A imprensa, por seu turno, destacou em suas manchetes a irresponsabilidade das pessoas que promovem aglomerações, principalmente neste período de carnaval no qual muitas festas clandestinas foram denunciadas. Mas também não seria irresponsabilidade defender a volta às aulas?

A CBN usou como argumento o fato de o Brasil ser o país com mais tempo sem aula. Numa matéria usa como exemplo o Norte da França, a Espanha e a Nova Zelândia. Neste último país, a primeira-ministra respondeu perguntas das crianças acerca do vírus. Os jornalistas da emissora de rádio ficaram admirados.

Além disso, a Globo parece ter recebido bem a frase de Eduardo Paes ao dizer que as escolas seriam as últimas a serem fechadas em caso de lockdown. Não podemos ter certeza que, se fosse Marcelo Crivella, dando a mesma afirmação, ela veria com bons olhos, já que tinha ojeriza ao bispo.

Comparar o Brasil com países onde a vacina está de vento em polpa, que testes são disponíveis em grande escala, onde as escolas possuem uma estrutura muito mais desenvolvida, é mau-caratismo. Até na Alemanha, onde o lockdown voltou, o retorno às aulas foi adiado. Em Berlim, a volta às aulas será a partir de 22 de fevereiro. Mas a chanceler, no entanto, afirmou que funcionários de creches e professores passarão a fazer parte do segundo grupo prioritário a receber a vacina.[1]

Existe a necessidade de abrir as escolas privadas devido a pressão do setor empresarial. Afinal de contas, a Educação é uma mercadoria. A pandemia fez com que muitos alunos migrassem para o setor público. Deste modo, a reabertura das aulas seria indispensável para a recuperação destes.

Esse fato leva a abertura das escolas públicas por dois motivos. Primeiro, mediante o falso discurso de que somente os filhos da classe média teriam acesso à educação, já que somente as escolas privadas estariam abertas. Isto forneceria oportunidades desiguais no futuro. Inclusive, este é um dos motivos para que alguns professores da escola pública não façam greve, alegando que os mesmos, dando aula nas duas esferas (pública e privada), estariam cometendo injustiça deixando o aluno da escola pública sem aula.

O outro ponto seria – que pode parecer contraditório ao primeiro – o fato de que se a escola pública se mantiver apenas no ensino a distância, muitos pais receosos de seus filhos contraírem o vírus da Covid-19 vão preferir tirar seus filhos da escola particular e colocá-los na pública, prejudicando assim os lucros.

O discurso de injustiça é uma falácia, já que sempre estivemos num modelo dual de Educação: um para formar as camadas médias e ricas e outro para formar o proletariado. Essa injustiça sempre existiu no capitalismo, estando as escolas fechadas ou não.

Outra questão é o fato de que as escolas estariam fechadas, mas as aulas on-line continuariam. Se estas aulas não são suficientes, estados e municípios deveriam anular todo o ano letivo passado, já que foram majoritariamente à distância.

Além do medo de contrair a doença num cenário em que os números de casos só crescem, com a interrupção da imunização por falta de vacinas e o aparecimento de novas variantes do vírus muito mais contagiosas, os profissionais da Educação do município do Rio de Janeiro, por exemplo, sofrem com o aumento da carga laboral (não somente com o aumento de turmas, mas também com o trabalho em dois lugares, sendo presencial e remoto), problemas no fornecimento de água (crise da geosmina) e ainda não receberam o 13° salário de 2020, direito garantido em lei. Depois disso tudo, não seria covardia comparar a realidade do Brasil com a da Nova Zelândia? Os profissionais da Educação não querem deixar de trabalhar, eles só querem dignidade. A Constituição precisa ser respeitada. Ela assegura “Proteção à vida, à saúde e à dignidade da pessoa humana”. Além das condições estruturais adversas de trabalho, ainda ter que lidar com o risco de vida, com a possível transmissão para os seus familiares, é muito humilhante para uma categoria tão indispensável para a construção do amanhã.

FONTE: REVISTA FÓRUM
FOTO: Assembleia Legislativa do Espírito Santo


Mais notícias...

Compartilhar com:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!




SINDIUTE nas redes sociais