Principal » Notícias » Destaque »

03 novembro 2017

CUT divulga nota de repúdio aos ataques ao educador Paulo Freire

CUT manifesta seu total repúdio à proposta de retirar de Paulo Freire o título de Patrono da Educação Brasileira.

A CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES vem a público manifestar seu total repúdio à proposta absurda de retirada do título de Patrono da Educação Brasileira conferido ao educador Paulo Freire.  O projeto que o condecorou foi sancionado pela presidenta Dilma Rousseff em 2012. Importante esclarecer que o resultado do pleito para conceder o título na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado foi unânime, com votos de diferentes espectros ideológicos.

O educador, filósofo e intelectual Paulo Freire é uma sumidade e motivo de orgulho ao Brasil. Toda sua vida foi dedicada em prol da educação brasileira.

Cadastre seu número do WhatsApp para receber nosso conteúdo

Nascido em Pernambuco, Freire recebeu inúmeros prêmios importantes, entre os quais o Mohammad Reza Pahlavi Prize de 1975 (http://unesdoc.unesco.org/images/0001/000175/017504eb.pdf), prêmio internacional da Unesco na área de Educação. Seu livro mais famoso e de leitura obrigatória para qualquer profissional da área da Educação, Pedagogia do Oprimido é o único título brasileiro a aparecer na lista dos 100 livros mais requisitados de leituras exigidas pelas universidades de língua inglesa (http://g1.globo.com/educacao/noticia/2016/02/so-um-livro-brasileiro-entra-no-top-100-de-universidades-de-lingua-inglesa.html).

A relevância do conjunto de sua produção acadêmica (http://www.paulofreire.org/acervo-paulo-freire) faz de Paulo Freire o terceiro autor com mais citações registradas noGoogle Scholar, um sistema de ferramentas que organiza artigos científicos, teses de mestrado e doutorado, livros acadêmicos, resumos, bibliotecas de pré-publicações e material produzido por organizações profissionais e acadêmicas para pesquisadores de todo o mundo. Elliot Green, pesquisador da London School of Economics, em sua pesquisa no banco de dados do Google Scholar  revela que Paulo Freire foi citado mais de setenta e duas mil vezes, número bem próximo de seus dois primeiros concorrentes, os estadunidenses Thomas Kuhn, também filósofo, e o sociólogo Everett Rogers.

No atual contexto, em que a direita, movida pelo ódio de classe, tomou de assalto o país, arranca dia a dia nossos direitos trabalhistas, sociais, coletivos e sequestrou até o bom senso,nos causa indignação termos de explicar a sandice de tal proposta promovida pelos cabos eleitorais de Bolsonaro e do movimento ultraconservador que se autodenomina “Escola Sem Partido”.

Os adeptos do discurso autoritário da “Escola sem partido” argumentam que a escola pública é ‘ideologizada’, que os ‘comunistas’ a comandam. Se isso fosse verdade não teríamos uma sociedade tão desigual e não estaríamos na luta para enfrentar o desmonte de direitos fundamentais.

Por isso afirmamos que os sujeitos que compartilham desse pensamento reacionário têm muito a aprender com Paulo Freire que de modo coerente entre reflexão e prática sempre lutou para a libertação de mulheres e homens como seres histórico-sociais, para que durante seu processo de formação desenvolvam o pensamento crítico e sejam capazes de escolher, decidir, se posicionar, intervir na realidade, questionando verdades absolutas. A educação é direito fundamental que nos possibilita desenvolver-nos como seres humanos plenos.

A CUT por meio de sua política de formação defende a educação integral, na qual o trabalho, a ciência, a cultura e a tecnologia são eixos fundamentais para a formação de homens e mulheres com o compromisso de construir uma sociedade inclusiva, verdadeiramente democrática, com trabalho decente e desenvolvimento sustentável.

Nas palavras de Freire: “É por isso que transformar a experiência educativa em puro treinamento técnico é amesquinhar o que há de fundamentalmente humano no exercício educativo: o seu caráter formador. ” (Freire, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996. P. 26).

Imbuídos do pensamento freireano temos a esperança ativa a nos impulsionar em defesa da educação pública de qualidade, gratuita, universal e transformadora da realidade brasileira para combater sua profunda desigualdade e para fazer enfrentamento a todo desmonte desse direito.

São Paulo, 1º de novembro de 2017.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES

* Clique aqui para assinar a Carta Aberta ao Congresso Nacional em defesa de Paulo Freire.

Fonte: CUT
Foto: Instituto Paulo Freire


Comentar

Escreva algo





Rua Floriano Peixoto, 1464 – José Bonifácio Fortaleza/CE.
CEP 60025-131
falecom@sindiute.org.br
+55 85 3231.7282
Produzido e atualizado pela TEIA DIGITAL