DESTAQUES


Sem Lula livre não há democracia, diz Pérez Esquivel

03/08/2018

O vencedor do Prêmio Nobel da Paz participou do encerramento do fórum de La Poderosa em Porto Alegre.

Da Redação GGN

Após três dias de intensas atividades na Casa do Gaúcho e nos arredores, o 2º Fórum Latino-Americano do movimento social argentino La Poderosa foi encerrado neste domingo (29). Um evento que começou com uma marcha de abertura pela região central de Porto Alegre na sexta-feira (27), passou por debates sobre comunicação alternativa, feminismo e organizações de base no sábado (28), e conclui hoje com um torneio de futebol pela manhã, o “Resistidores da América”, e um painel que contou com a presença de um vencedor do Prêmio Nobel da Paz e dois pré-candidatos à presidência do Brasil.

O La Poderosa é um movimento que nasceu nas favelas de Buenos Aires, em 2014. O Fórum reuniu representantes das 79 localidades da Argentina e dos 11 países da América Latina em que em que está organizado, incluindo ao Brasil, onde o movimento pretende expandir sua presença a partir do encontro, e de diversos outros movimentos sociais. O debate de encerramento contou com as presenças e falas do argentino Adolfo Pérez Esquivel, premiado com o Nobel da Paz em 1980, da jurista carioca Carol Proner, dos pré-candidatos à presidência do Brasil Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PCdoB) e de Nacho Levy, representante do La Poderosa.

Em sua fala, Esquivel destacou o contexto semelhante que vivem Brasil e Argentina, sob governos que implementam políticas pró-mercado. “Temos que dizer não ao FMI e à mídia que são cúmplices do mercado, querem impor uma dívida imoral e ilegítima: quanto mais pagamos, mais devemos e menos”, disse. Ele também destacou que, no campo político, os movimentos de esquerda da América Latina precisam assumir a defesa do direito do ex-presidente Lula concorrer às eleições. “Sem Lula livre não há democracia, porque foi esse homem quem tirou 36 milhões de brasileiros da pobreza extrema. É por isso que eu o indiquei para o Prêmio Nobel da Paz, mas não para Lula ou para seu país, mas por toda a região. E quero falar sobre outro camarada, Fidel Castro Ruz, que teve uma visão profunda e uma grande confiança nos povos latino-americanos que lutam por sua liberdade. Essa luta, como tantas outras, está aqui, porque através deste Fórum abrimos as portas e as janelas para que a luz e a esperança de um novo continente possam entrar”, disse.

A jurista Carol Proner destacou classificou a prisão de Lula como o principal exemplo de injustiça e falta de respeito pelo processo legal e pela presunção de inocência. “Não podemos suportar as mentiras e a manipulação da Justiça com a mídia, nem deixar o legado de conquistas conquistadas até hoje descartadas, ou fora de uma agenda de construção e integração regional”, disse.

Manuela comparou a situação brasileira com a de outros países da região. “Quando dizemos ‘Lula livre’ e ‘Marielle presente’, estamos falando muito sobre o que ocorre em todo país atualmente. Quando falamos em Lula, é para também evitar o que pode ocorrer com Cristina, com Rafael na América Latina”, disse Manuela. “Precisamos de um novo caminho, um novo ciclo para nosso continente. Somente poderemos mudar a realidade com o povo no poder. Somente olhando o que fizeram as mulheres argentinas pela luta pela descriminalização do aborto. Só teremos mudança com mobilização social”.

E Boulos também analisou o momento sobre a ótica da imposição de uma agenda neoliberal na região. “Os novos golpes foram além de derrubar uma presidenta ou um presidente: eles também impuseram uma agenda de retrocessos em direitos sociais, reformas trabalhistas, aposentadorias e cortes nos orçamentos públicos. É a mais selvagem agenda neoliberal imposta para o povo, uma Justiça que intervém nos processos eleitorais, porque os golpes não ocorrem mais apenas com os militares na rua, mas nos tribunais, nos parlamentos e nos grandes grupos de mídia. Mas não vamos desistir, hoje no Brasil as bandeiras de Lula Livre e de justiça par Marielle são as bandeiras que sintetizam a luta democrática do povo. Portanto, devemos estar juntos sem qualquer concessão, pois isso nos tornará poderosos para inaugurar um novo ciclo de lutas, vitórias e deixados na América Latina “, disse Guilherme Boulos.

Ao final, o argentino Nacho Levy, liderança do La Poderosa, destacou que apesar de o contexto ser de avanço de uma “onda conservadora, fascista e golpista”, surge um arco íris que são as lutas por Marielle Presente e Lula Livre. “Graças a todo o movimento pluri nacional e popular para estes dias felizes, graças a Marielle pela dignidade, e graças a Lula pela liberdade, pela liberdade de nós e de nós”, afirmou ao final.

Publicado originalmente no Jornal GGN

Fonte: Carta Maior


Mais notícias...

Compartilhar com:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *