DESTAQUES


Julgamento do pedido de liberdade de Lula no Supremo é adiado

05/12/2018

Ministro Gilmar Mendes pediu vista e a votação que estava dois a zero contra o Habeas Corpus do ex-presidente é interrompida. Defesa diz que Sérgio Moro agiu parcialmente e politicamente contra Lula.

Um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes suspendeu nesta terça-feira (4) o julgamento, pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), do habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente Lula, mantido como preso político desde o dia 7 de abril na Sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Na ação, a defesa pede a imediata liberdade de Lula e alega que o ex-juiz Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente no caso do triplex do Guarujá sem crimes nem provas, agiu politicamente e de forma parcial.

No início da sessão, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que a Constituição assegura a todo ser humano o direito de ser julgado em um processo justo. “E um processo justo é aquele que se desenvolve de acordo com o que prevê a lei e conduzido por juiz imparcial, mas esse direito foi negado ao ex-presidente”.

Zanin enumerou ainda as diversas vezes em que Moro foi parcial, como nos episódios da condução coercitiva de Lula, da divulgação de áudio com a ex-presidenta Dilma, além da atuação de Moro para evitar a ordem de soltura de Lula determinada pelo desembargador Rogério Favreto.

Segundo Zanin, ao aceitar o convite para assumir o Ministério da Justiça no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, Moro escancarou ainda mais o viés político de suas decisões contra o ex-presidente.

O voto dos ministros

Ao proferir seu voto contrário a concessão do Habeas Corpus, o relator Edson Facchin disse “considerar incabível o pedido para declarar a parcialidade de Moro na condução do processo sobre o triplex do Guarujá porque juízes possuem liberdade para proferir decisões de acordo com seu convencimento”.

A ministra Cármen Lúcia acompanhou o voto do relator e também julgou “incabível o HC impetrado pela defesa do ex-presidente, e que o fato do ex-juiz Sérgio Moro ter aceitado um cargo no governo Bolsonaro não caracteriza parcialidade”.

Na hora de proferir sua decisão, Gilmar Mendes, no entanto, pediu vistas do processo, que ainda não tem data para voltar a ser julgado pela Segunda Turma do STF.

Defesa pediu adiamento do julgamento do HC que foi negado por 3 a 2

A sessão teve início com pedido de adiamento pela defesa de Lula, que queria julgar dois HCs em conjunto. O relator, ministro Luiz Edson Fachin preferiu seguir com o julgamento. O ministro Ricardo Lewandowski disse que a praxe seria adiar e Gilmar Mendes defendeu jogar o HC de Lula para julgamento no plenário do STF.

Celso de Mello e Cármen Lúcia, no entanto, quiseram prosseguir com o julgamento. E assim, por 3 votos a 2, o julgamento do Habeas Corpus teve início.

A Segunda Turma da Corte é composta pelo relator Edson Fachin e os ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

 

Fonte: CUT
Foto: AGÊNCIA BRASIL


Mais notícias...

Compartilhar com:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!