DESTAQUES


Jornal The Irish Times – Irlanda

08/04/2019

Ainda fiéis: os partidários de Lula se reúnem diariamente na prisão do herói caído
Vigília contínua marca profunda lealdade ao ex-presidente do Brasil após o primeiro ano de prisão.

É o dia 354 da Vigília de Lula Livre e cerca de 50 ativistas estão reunidos em frente à sede da polícia federal na cidade de Curitiba, onde o primeiro presidente da classe trabalhadora do Brasil está preso cumprindo uma sentença de 12 anos por corrupção.

Às 9h da manhã, eles gritam sua tradicional saudação matutina “Bom Dia Presidente Lula!” Na direção da sala-cela onde Luiz Inácio Lula da Silva está detido desde sua detenção em 7 de abril do ano passado. Será seguido no final do dia por uma saudação à tarde e uma final por boa noite.

A vigília marca seu primeiro aniversário no domingo e essa longevidade é testemunho do contínuo fervoroso compromisso dos partidários de Lula, apesar de anos de retrocessos políticos desde que ele deixou o cargo em 2010, que acabaram com ele na cadeia e um demagogo reacionário na presidência que ele já ocupado com tal distinção.

O ex-presidente foi preso depois que um tribunal de apelações confirmou sua condenação em 2017 em um caso envolvendo a reforma de um apartamento à beira-mar por construtoras apanhadas na sonda anti-corrupção Car Wash.

Desde sua prisão, ele foi considerado culpado em um segundo julgamento envolvendo uma retirada do país e também é acusado em vários outros casos.

Para apoiadores como Isabel Aparacida Fernandes, uma das integrantes permanentes da vigília que leva quatro ônibus todos os dias para estar aqui, sua dedicação está enraizada em uma profunda identificação pessoal com Lula.

Como ele, ela também teve que migrar com a família do país para a cidade quando criança para sobreviver. E como ele, ela acabou trabalhando no cinturão industrial de São Paulo, onde Lula começou como um líder sindical e inspirou nomes como Fernandes a se envolver em política, ajudando-o a construir o maior movimento de esquerda das Américas.

‘Vale o esforço’
Ela não se arrepende de ter passado um ano de aposentadoria na vigília. “Lula vale o esforço. Estou apenas pagando o que ele me deu e todos que se beneficiaram de seu governo. Estamos aqui por causa de tudo o que Lula fez por nós, os pobres ”, diz ela.

Embora ele tenha uma janela, Lula não pode ver a vigília de seu quarto, apenas os topos dos pinheiros do Paraná. Mas seus visitantes dizem que ele pode ouvir seu grupo de partidários, que estão aqui há tanto tempo e que prometem não sair até que o homem que acreditam fervorosamente ser o prisioneiro político mais importante do mundo seja libertado.

Entre as pessoas que lideram a saudação matinal está a líder sindical Ana Cristina Guilherme, que viajou 3.500 km de sua casa em Fortaleza para fazer sua quarta visita à vigília, localizada em um estacionamento alugado do outro lado da rua. construção.
Para ela, a campanha para libertar Lula é agora a chave para resistir aos esforços do novo presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro, de desfazer tudo o que foi conquistado durante os 13 anos de poder da esquerda.

“Faz parte da mesma luta. Primeiro, eles o condenaram sem provas para removê-lo da eleição presidencial [ano passado] que ele iria ganhar, e então o trancaram porque sabem o que é uma poderosa força mobilizadora Lula ”, diz ela.

Para os coordenadores de vigília Tarcísio Leopoldo e Adair Gonçalves, esta luta é apenas a fase mais recente de uma fase muito maior em que nasceram. Seus pais eram camponeses sem terra, vítimas da concentração de propriedade do país nas mãos de grandes fazendeiros e eles foram criados dentro do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra, o maior movimento social de base na América Latina.

“Nosso movimento tem uma longa história de luta, de mobilização, e agora está focado em libertar Lula, não só porque ele foi condenado sem provas, mas por causa do que ele representa”, diz Leopoldo.

Vidas dos sem-terra
Para os dois ativistas, Lula foi o primeiro presidente que realmente transformou a vida dos sem-terra. Eles dizem que programas estatais importantes, como aqueles que dão aos camponeses acesso a financiamento, já estão sendo revertidos pelo governo Bolsonaro, que recentemente ordenou a suspensão da reforma agrária. “Nosso pessoal já está sentindo o impacto desse novo governo de extrema direita”, diz Gonçalves.
O Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra coordena a vigília com ativistas de outras duas organizações há muito associadas a Lula e sua luta pela justiça social em uma das sociedades mais desiguais do mundo – o Partido dos Trabalhadores e sua federação sindical central afiliada dos Trabalhadores Unificados . Todos os três formaram a espinha dorsal do movimento que levou a esquerda do Brasil ao poder pela primeira vez em 2002.

Eles montaram uma pequena vila de tendas que inclui um escritório bem equipado, espaço para palestras e uma pequena biblioteca. O Movimento dos Sem-Terra também mantém uma unidade de saúde onde remédios de ervas, acupuntura e até reiki estão disponíveis para ativistas visitantes. Há também algumas barracas que vendem artigos esquerdistas como as camisetas Free Lula e Ché Guevara.

Após a saudação de bom dia, e várias xícaras de café e cabaças de erva mate amarga para afastar o frio do início do outono, a discussão diária da mesa-redonda começa no espaço da palestra.

O tema do dia é a história da resistência na América Latina desde a Revolução Mexicana em 1910. A participação é voluntária e cerca de uma dúzia de pessoas participam. A maioria deles está fazendo visitas à vigília, que atraiu quase 17 mil pessoas desde que começou.

Vento reacionário
Uma mulher diz ao grupo que veio porque se arrepende de ter se afastado de seu ativismo político anterior quando Lula assumiu o poder.

Outros falam da necessidade de redescobrir a solidariedade que se dissipou durante os anos de governo da esquerda, agora que um forte vento reacionário está soprando na quarta maior democracia do mundo.

Entre o grupo estão três amigos que viajaram do estado brasileiro do sul do Rio Grande do Sul.
“Viemos ver qual é a vigília para que pudéssemos voltar às nossas cidades e contar a verdade sobre isso a todas as Bolsominas de lá”, diz Cristina Mor, usando um termo pejorativo para os apoiadores de Bolsonaro, a maioria dos quais é ávida por consumidores. notícias falsas, especialmente quando se trata de Lula.

A discussão é informada e, apesar de partidária, contém consideravelmente mais autocrítica do que qualquer outra que o Partido dos Trabalhadores tenha conduzido, em público pelo menos desde o impeachment de Dilma Rousseff em 2016, uma derrota política precedida por um catálogo de erros políticos e políticos.

Mas os casos construídos pelos promotores contra Lula ou os escândalos de corrupção mais amplos que envolveram o Partido dos Trabalhadores quando no poder permanecem sem discussão. A palavra de ordem da vigília – “sem provas, não há crime” – não está em debate.

Muitos juristas brasileiros discordam, argumentando que só porque os investigadores não conseguiram encontrar recibos não significa que Lula não se beneficiou da corrupção quando estava no poder.

Mas o sentido da esquerda brasileira de que Lula é vítima de perseguição política é reforçado pelo fato de muitos de seus oponentes políticos, muitas vezes acusados de crimes, estarem em liberdade, alguns deles ainda perambulando pelos corredores do congresso em Brasília.
Unidade anti-corrupção
Ainda mais condenável aos olhos daqueles que mantêm a vigília é o fato de que Sergio Moro, juiz federal que condenou e sentenciou Lula, aceitou desde então a posição de ministro da Justiça no governo de Bolsonaro.

A medida levantou suspeitas, mesmo entre aqueles que apoiaram sua campanha anticorrupção, com algum aviso de que arriscaria legitimar a alegação do Partido dos Trabalhadores de que a investigação que Moro supervisionou – conhecida como lavagem de carros – sempre teve motivação política.

“Quando o caso de Lula chegou a Moro, ele viu uma oportunidade”, diz Reginaldo Neto de Oliveira, presidente da filial do Partido dos Trabalhadores na cidade de Extrema e outro membro permanente da vigília.

“Nós brincamos entre nós que o Moro não sabe mais sobreviver sem o Lula. Tudo o que ele conseguiu na vida até agora é graças a Lula. Isso tudo foi planejado de antemão, porque se Lula não estivesse preso, ele teria batido em Bolsonaro na eleição. ”

Depois que a saudação “Boa Noite” é gritada no ar da noite, a vigília se interrompe para o dia.

Um acordo com as autoridades significa que ninguém pode dormir no local. As relações com os moradores locais são colocadas em algum lugar entre frio e tenso. Tiros foram disparados em uma segunda vigília temporária nas proximidades do ano passado.

Muitos dos que não são de Curitiba vão para a Casa Free Lula, um antigo jardim de infância próximo, transformado pelo Movimento dos Sem-Terra em escavações para os que estão na vigília. Eles estarão de volta no dia seguinte, quando as chances de Lula de ter os casos contra ele rejeitados pelos tribunais superiores serão, mais uma vez, um provável tópico de conversa.

Mas mesmo que essas esperanças se mostrem irrealistas, Oliveira diz que a vigília permanecerá pelo tempo que for necessário: “Quando cheguei, disse que só estava saindo quando Lula partiu. Você não desiste de um homem como Lula. Como ele disse em seu último discurso antes de sua prisão, ele agora não é mais uma pessoa, mas uma ideia ”.
Os problemas legais de Lula
1º de janeiro de 2011: O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva – popularmente conhecido como Lula – deixa o cargo após oito anos no poder com índices de aprovação estratosféricos e supervisionou a eleição de sua sucessora escolhida a dedo, Dilma Rousseff.

17 de março de 2014: A investigação da lavagem de carros contra a corrupção política na gigante petrolífera estatal Petrobras chama a atenção do público. O caso, eventualmente, gera múltiplas investigações sobre a corrupção política endêmica praticada por todos os principais partidos políticos do Brasil.

12 de maio de 2016: Dilma foi destituída do cargo em decorrência de processos de impeachment. Formalmente destituído do mandato em 31 de agosto após um julgamento no Senado.

29 de julho de 2016: Lula foi julgado pela primeira vez.

12 de julho de 2017: Lula é condenado caso envolva um apartamento à beira-mar – promotores dizem que ele prometeu o apartamento em troca de ajudar uma construtora a garantir contratos lucrativos com a Petrobras – e condenado a nove anos e seis meses de prisão por um juiz federal Sergio Moro. .

24 de janeiro de 2018: O painel de três juízes rejeita o recurso de Lula no caso do apartamento e aumenta a sentença para 12 anos e um mês.

7 de abril de 2018: Lula foi detido e transferido para a sede da polícia em Curitiba para cumprir pena. Recurso interposto em primeira instância em Brasília está pendente.

6 de fevereiro de 2019: Lula é condenado em um segundo caso envolvendo um recuo no país e sentenciado a 12 anos e 11 meses de prisão. Um recurso pendente.

Em curso: Lula também foi condenado seis vezes mais com crimes que vão desde o tráfico de influências até a conspiração criminosa. Ele também está sendo investigado em dois outros casos. Ele tem consistentemente negado qualquer irregularidade e mantém sua inocência.

 

Foto: Rodolfo Buhrer

Fonte: The Irish Times

 


Mais notícias...

Compartilhar com:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!